Capelania Integral Cristã

Temos um altar, de que não têm direito de comer os que servem ao tabernáculo.

Porque os corpos dos animais, cujo sangue é, pelo pecado, trazido pelo sumo sacerdote para o santuário, são queimados fora do arraial.

E por isso também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta.

Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério.

Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.

Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome.

E não vos esqueçais da beneficência e comunicação, porque com tais sacrifícios Deus se agrada.

Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil. Hebreus 13:10-17

Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério. A fé cristã não deveria se valer de versículos isolados para apoiar raciocínios humanos. Com isso em mente é fantástico pensar que hebreus 13:13 não revela uma ideia isolada. Jesus foi crucificado fora do arraial. Exatamente onde vivenciou 90% de seu ministério terreno.

O convite é para que a experiencia cristã não seja confinada dentro das paredes institucionais da igreja, não seja delimitada por fronteiras ou tradições vazias. O ministério de Jesus quase em sua plenitude foi vivido outdoor, a salvação dos pagãos aconteceu fora das instituições religiosas de sua época. Hebreus tem este perfil de insistir na ideia de que Deus não cabe em instituições, Ele não se deixa transformar em um produto controlado por uma minoria. Não se manifesta apenas sob a invocação de representantes do clero. Ele é livre! Mesmo quando se deixou matar. O sepulcro não pode prende-lo.

O Deus criador do cosmos e autor da multiforme graça está sempre surpreendendo ideias tradicionais. Sempre alcançando o pecador onde ele está. O sopro do soberano das nações penetra os mais improváveis lugares e usa pessoas mais improváveis ainda.

Quantos homens e mulheres de Deus estão enterrando seus dons enquanto aguardam suas vezes no púlpito. Enquanto aguardam para evangelizarem no local mais evangelizado da terra, Inúmeras pessoas sofrem em sua ignorância. Será o que leva o óbvio a não ser notado? Jesus sabia onde encontrar os cativos e algemados deste mundo. Não esperou que eles aparecessem para o culto das 17:00h. Por trás de porcos e porqueiros da Gadaria, hebreu que era, Jesus não fez cerimônia. havia um homem possuído por uma legião de demônios. Jesus o libertou, mas aquele homem nunca recebeu o convite para sinagoga mais próxima. Antes disse-lhe: Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor te fez, e como teve misericórdia de ti. E ele foi, e começou a anunciar em Decápolis quão grandes coisas Jesus lhe fizera; e todos se maravilharam. Marcos 5:19-20. No mesmo dia, sem se purificar, sem apresentar passaportes, Jesus estava na casa do chefe da sinagoga, onde o desafiou a crer em algo que estava além do repertório religioso local. A ressurreição de sua filha. 

A figura do capelão tem esta similaridade. Um ministério fora dos portões. Levando sua assistência a ovelhas que nem sempre serão membros de uma igreja local, nem terão seus nomes na galeria de dizimistas de uma denominação. Na maioria das vezes nem são considerados irmãos.

Neste cenário a maioria dos capelães não o são em tempo integral, já que o sustento financeiro é precário ou inexistente. Sendo assim, o envolvimento de muitos capelães com a capelania não passa de uma aventura de alguns finais de semana. Logo perdem o interesse e em muitos casos voltam a pleitear um lugar nos púlpitos.

Por esta razão a Fecic, propõe um novo modo de se formar capelães. Cada ação desencadeia uma determinada consequência. Não dá para fazer as coisas do mesmo modo e esperar por um resultado diferente. A Capelania Integral Cristã visa preparar capelães com teologia, inteligência emocional, empreendedorismo social e liderança coaching. O objetivo é que o capelão possa viver da capelania se assim desejar, ou otimizar seu tempo com objetivo de ter um ministério vivo e saudável.

Por falar em saudável, a sequencia do texto inicial de hebreus, dá algumas direções. Vivenciar a fé e o ministério do lado de fora dos portões tem as suas implicações. Praia, presídios, praças, em casa com a família, escolas, hospitais, quarteis. cada um destes lugares desafia a sobriedade de um capelão. Neste contexto temos que ver Deus como declara a música de Adrian Romero. “Seja meu universo!”

O escritor de Hebreus dá quatro direções que demonstram a vontade de Deus que tenhamos uma manifestação espiritual fora dos portões. Primeira razão nos versos 10 e 11 do capítulo 13 onde diz que o sacrifício feito dentro é validado do lado de fora. Um altar inacessível para quem esta dentro. O sacrifício de dentro começa fora. Quantas pessoas estão resumindo sua espiritualidade ao que acontece dentro. Palmas, pulos, sorrisos piedosos. Estes sacrifícios só são validados quando são a extensão do que vivemos fora. É o que acontece fora que empresta legitimidade ao que acontece dentro. Mesmo que tentemos inverter esta ordem, tentando validar nossa vida fora com o fervor de nossa vida dentro.

A segunda razão revela que a verdadeira santidade começa do lado de fora. Jesus para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta. Hebreus 13:12. Santidade é do lado de fora com todas as tentações, seduções ou implicações. Jesus Morreu do lado de fora. Lógico que não estamos falando da santidade cerimonial do tipo não toques e não manuseies, mas a santidade ética, política, financeira, relacional, familiar, conjugal na qual cada atitude, em cada lugar, revela que conhecemos o amor maior.  Santidade que cobre todos os setores de uma vida. Desde a urna na qual votamos ao altar onde oramos.

Terceira razão. Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério. Hebreus 13:13. Deve ser difícil para quem sempre viveu no contexto de que a Igreja institucional é a casa de Deus, ser convidado para ir ter com Jesus do lado de fora. 

A quarta razão revela que o verdadeiro padecimento agradável a Deus é do lado de fora. Envolver-se com questões maiores, pensamentos maiores. Quantos cristãos ao testemunharem sobre sua fé, apenas contam uma história sobre as coisas que faziam e não fazem mais. Com uma fé reduzida a uma lista de coisas para não fazer, me admiro que hajam tão poucos ateus no mundo. Já parou para pensar nas coisas que você pode fazer e viver agora que Deus veio morar em você? O único deleite do Espirito que mora em você será frequentar cultos, evitar bares e lugares promíscuos? Já lhe passou pela cabeça que o Supremo Criador seria mais criativo que isso? Onde você O leva todos os dias? Você permite que Ele leve você? Há espaço em sua agenda para fazer o que Ele quer? Ou é mais fácil cantar algumas músicas no fim de semana?

No mesmo texto onde aprendemos as razões para manifestar nossa espiritualidade foras dos portões, também aprendemos quatro modos de como viver este processo com saúde e integridade.

O primeiro é que viver fora dos portões não é pra sempre, temos que estar lúcidos sobre a transitoriedade da vida. Vivemos do lado de fora mas por outros motivos, não tem a ver com ganancia ou qualquer coisa do tipo. Um modo de vida que não se orgulha quando ganha e nem se deprime quando perde. O que alimenta nossa existência é bem diferente do que alimenta a existência dos impios. Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura. Hebreus 10:14. Sabemos muito bem sobre o que passa e o que é permanente. 

Em segundo lugar, viver fora do portão, só com a boca cheia de confissão. Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome. Hebreus 13:15. Se as más conversações corrompem os bons costumes, as boas conservam. Por incrível que pareça, a primeira pessoa a ser influenciada pelo o que falamos somos nós. Confesse quem Ele é, quem você é em Cristo e em que você acredita. Por mais que a poeira do mundo tente imprimir outros conceitos em nossa alma, nós somos responsáveis por guardar nosso coração e reimprimir verdade em nosso coração através de nossa confissão. 

Terceiro lugar, vivemos fora do portão para praticar a bondade. E não vos esqueçais da beneficência e comunicação, porque com tais sacrifícios Deus se agrada. Hebreus 13:16. 

Por fim, viver fora do portão pelos motivos certos, só tendo consciência de que somos parte do corpo de Cristo. Não somos uma ilha. Nada nos protege mais do que que ter comunhão com este corpo. Prestar contas, confessar pecados. A Bíblia diz que quando confessamos nossos pecados a um irmão Deus nos cura. Eu sei que nosso costume é confessar a Deus para ser perdoados. É verdade, mas se a cura vem de confessar a um irmão, o remédio também é este. Não abra mão de seus vínculos, nem do cuidado de seu pastor. Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil. Hebreus 13:17

Capelania Integral Cristã tem esta enfase na palavra integral por que somos cristãos 24 horas por dia, 7 dias por semana, em todos os lugares e  até mesmo ao sonhar dormindo. Por toda nossa vida estamos ligados ao criador. Somos semelhantes a Ele no amor, no perdão e porque não, também em seu atributo de Criador. Vamos criar novas formas de oferecer Assistência e verdade aos perdidos. Vamos divulgar o convite.

Saiamos a Ele fora do arraial levando seu vitupério.